Agente literário: um guia

book shelves book stack bookcase books

O que é um agente literário?

Um agente literário é alguém que representa autores e seus trabalhos, defendendo seus interesses em negociações de direitos autorais. Assim, o agente busca as melhores editoras para um projeto, negocia contratos, acompanha se as cláusulas são cumpridas, se royalties estão sendo devidamente pagos. Em suma, cuida das questões burocráticas envolvidas na publicação para que o autor fique livre para focar no que sabe fazer de melhor: escrever.

Agentes literários são profissionais que conhecem bem a indústria do livro. Eles têm excelentes contatos e estão atualizados com preferências e tendências. Além disso, têm experiência sobre como (e para quem) apresentar projetos e ideias, habilidade para avaliar um bom livro e seu potencial – e também suas falhas. Também possuem, certamente, conhecimento para orientar a carreira dos autores e um ótimo faro para negócios. Muitos têm condições, inclusive, de colaborar no desenvolvimento do projeto editorial e na melhoria do texto, valorizando e potencializando uma obra antes que ela chegue às mãos de um editor.

Um agente literário é um parceiro.
Uma agente literária pode ser uma grande parceira.

Facilitando a leitura de originais

Dessa forma, quando um livro é indicado por um agente para um editor, em geral vai para o topo da pilha de análises de originais, principalmente se o agente tem boa reputação e representa escritores e obras de qualidade. Algumas editoras, aliás, não aceitam originais se não forem representados por um agente.

Agentes literários também podem negociar os direitos de um livro diretamente com outras plataformas, como o mercado audiovisual, (para adaptá-lo para filmes, séries ou documentários), o teatro, as empresas de audiolivro, fazer licenciamento para produtos e marcas e também auxiliar o autor na participação de eventos literários e palestras. Além disso, podem negociar direitos no mercado editorial internacional, para publicação em outros países e idiomas.

Alguns agentes representam uma ampla variedade de escritores, enquanto outros são mais especializados, focando em um gênero, segmento ou área como romances, livros infantis ou não-ficção. É importante, por isso, ter certeza que o agente que você vai abordar trabalha com o tipo de livro que você escreveu.

O que faz um agente literário?

I) Um agente literário promove a venda de projetos editoriais

Simplesmente saber quem são as editoras certas para um livro não é o suficiente. De fato, vender um trabalho literário demanda a atenção do editor certo. Para isso, é preciso “empacotá-lo” de forma que ele fique atraente para quem vai adquirir seus direitos, e seja fácil o suficiente entender seu valor. Sendo assim, o agente literário cria propostas de livro, as chamadas “book proposals”, escrevendo projetos excelentes e de grande apelo. Ele também fazendo reuniões em que apresenta as obras através de um “pitch” (um discurso de venda conciso e eficiente), preparado para comercializar cada projeto.

II) Um agente literário busca sempre os melhores negócios

O agente não só encontra os editores certos e consegue contratos para obras dos autores; mas também negocia as melhores condições para o licenciamento das obras. Assim, sempre fecha o melhor negócio para seus autores. Os agentes conhecem os detalhes do mercado editorial e as “pegadinhas” comuns em cláusulas contratuais. Da mesma forma, sabem como obter as melhores condições que as editoras podem oferecer; isso favorece seus agenciados na hora de assinar qualquer tipo de contratação.

open book and fairy lights on wooden surface
Photo by Anastasia Zhenina on Pexels.com

III) Um agente literário ajuda a aprimorar os manuscritos do autor

Um bom agente literário ajuda o autor a escrever o melhor trabalho possível. Ele pode fazer leituras críticas, comentários editoriais, revisões e até mesmo ajudar a criar os projetos editoriais junto com seu autor. O agenciamento, com toda a certeza, vai garantir que o trabalho apresentado para o mercado seja o melhor possível. Esses manuscritos de maior qualidade e excelência possibilitam garantir a profissionalização do trabalho do autor.

Uma agente literária profissionaliza o seu trabalho.
Ter uma agente é uma maneira de profissionalizar seu trabalho.

O que um agente literário NÃO faz?

I) Um agente não cobra nada do autor

Um agente de qualidade nunca cobra taxa de representação, de edição ou de leitura crítica de um autor agenciado. O modo como um agente literário é remunerado é recebendo uma comissão em cima dos ganhos do autor, uma porcentagem fixa sobre os valores das obras que representa, em geral de 15% a 20% sobre os royalties recebidos pelos agenciados. Ou seja, ele aposta no autor e em seu projeto, entrando no risco.

Por isso, o agente só vai representar quem ele realmente acredita, já que não vai arriscar seus escassos recursos, de tempo, energia e dinheiro, com quem não tem um bom potencial editorial ou comercial. E é isso o que faz também o trabalho do agente ser tão valorizado, já que ele filtrará e buscará as melhores obras, autores e projetos, selecionando o que é melhor para cada editor.

II) Um agente não divulga ou vende livros

Os agentes não fazem assessoria de imprensa, o que cabe a profissionais especializados nisso, que devem ser contratados pelo autor ou por uma editora. Os agentes também não são responsáveis ​​pela divulgação ou comercialização dos livros do autor, pois isso cabe ao editor e (cada vez mais) ao próprio autor.

Como conseguir um agente literário?

Um agente literário em geral recebe centenas de pedidos de agenciamento todos os meses, e inúmeros originais não solicitados de autores que pedem uma avaliação para conseguir ser agenciado. Por isso, simplesmente enviar um e-mail para um agente com seu nome e seu pedido para ser representado não é nem suficiente e nem a melhor maneira de conseguir isso. Para ser escolhido por uma agência para ter sua obra representada, é preciso fazer algumas coisas:

1. Pesquise os agentes literários

Como já foi dito, os agentes e as agências literárias em geral trabalham somente com tipos específicos de livros e segmentos. Portanto, não adianta mandar seus trabalhos para uma agência que não contempla o perfil da sua obra. Veja aqui uma lista de Agências Literárias brasileiras confiáveis e busque saber se elas trabalham com seu segmento de escrita.

2. Descubra se o agente está querendo receber originais e de que maneira

Nem todas as agências estão em busca de novos agenciados o tempo todo. Por isso, antes de enviar algo não solicitado, procure descobrir a política de recebimento de novas obras ou quando determinada agência vai abrir novas oportunidades para analisar novas representações e siga suas orientações.

flat lay photography of an open book beside coffee mug
Photo by fotografierende on Pexels.com

3. Elabore uma excelente Carta de Apresentação

Você ficaria surpreso em saber com quantas pessoas simplesmente enviam um e-mail com seu nome e um pedido de representação para as agências. Sem dúvida, nenhuma agência de verdade irá notar autor nenhum com essa abordagem. Em geral, quando agentes estão recebendo novos originais para avaliar representações, pedem uma Carta de Apresentação, que é um documento em que o autor diz quem é e o que é sua obra. Por isso, é preciso elaborar uma excelente Carta de Apresentação para fisgar a atenção e o interesse dos profissionais.

Veja aqui uma sugestão de como fazer uma Carta de Apresentação formal e bem escrita.

4. Certifique-se de que tem uma obra excepcional

Achar o agente certo e enviar uma Carta de Apresentação excelente não adianta nada se você não tiver um livro acima da média. Não comece a procurar agenciamento se seu livro ainda não está maduro, bem trabalhado, polido e lapidado. Não se esqueça que escrever é reescrever. Analise: seu original passou por uma ou mais leituras críticas profissionais e foi ajustado? Seu texto passou por uma revisão ou está cheio de erros ortográficos? Você mandou para leitores-beta e aprimorou o que foi necessário? 

Lembre-se: você não tem uma segunda chance de causar uma primeira boa impressão. Se você tiver a oportunidade de ser lido por um agente (ou até por um editor) e seu livro não estiver pronto, você não será escolhido e ficará muito mais difícil ter uma nova chance.

Qual o momento certo de ter um agente literário?

No Brasil, existem poucos agentes literários que trabalham com autores totalmente iniciantes. Portanto, antes de procurar por uma representação, o ideal é que você se torne o mais relevante e profissional possível. Isso aumenta as chances esses profissionais invistam suas fichas em você, pois será um risco que vale a pena.

Publique suas obras em plataformas digitais, busque criar um público interessando nas redes sociais… Vá você mesmo atrás de contratos com pequenas e médias editoras. Não fique parado! Existem milhares de autores e autoras independentes, que divulgam e vendem bem seu trabalho. Todos eles sabem que a proatividade é uma qualidade essencial de um autor conhecido.

Depois de ter conseguido um portfólio mais respeitável e ter amadurecido sua escrita, aí sim é a hora de ir atrás de um agenciamento. Sempre, claro, levando em conta tudo o que já recomendamos aqui.

Deixe uma resposta